Em Timon PM liberta mulher e criança mantidas refens

brasao11bpmLuis Borges Cavalcante que foi preso é fugitivo de Pedrinhas e possui três homicídios.

Após intensa negociação que demorou cerca de três horas a Polícia Militar em Timon conseguiu libertar uma mulher e uma criança de apenas três meses mantidas reféns por Luís Borges Cavalcante (Luizinho) que é fugitivo da Penitenciária de Pedrinhas em São Luís – MA e possui três homicídios, segundo ele mesmo afirma, sendo um no Maranhão e dois no Piauí. Ele estava com documentos falsos em nome de João dos Santos Lima.

A negociação iniciou com o tenente Nataiton e uma equipe de PMs até a chegada do Comandante do 11º Batalhão – Major Medeiros. Luís Borges estava à procura de sua ex-mulher e falava que a mesma o havia traído quando estava preso e de um vídeo dela mantendo relações sexuais que chegou ao seu conhecimento. Como ele não encontrou a ex-mulher ele pegou a cunhada e uma criança de apenas três meses como reféns. Ele tentou negociar a libertação das reféns pela ex-mulher o que não foi aceito pelo comandante.

Além de querer trocar as reféns pela sua ex-esposa Luís Borges pediu um colete à prova de balas, água e a presença da imprensa, como condições para se entregar. Porém após ser atendido as algumas exigências ele disse que não se entregaria e que só sairia da casa morto, pedindo que a PM atirasse nele. Ele deu a entender que se a PM não atirasse ele poderia matar a cunhada e a criança para forçar a própria morte.

Após esgotarem-se as possibilidades e pela euforia manifestada, pois ameaçava fechar a porta do quarto novamente e ter um desfecho fatal e no intuito de preservar a vida das reféns o comandante atirou nas pernas de Luís Borges, que mesmo ferido tentava se arrastar para onde estavam as reféns, momento que foi impedido pela PM e mesmo caído e com três tiros nas pernas atingiu o Major Medeiros com golpe de tesoura na perna direita.

O Major Medeiros, após a prisão do marginal, foi até a UPA buscar atendimento e levou oito pontos na perna em virtude do corte que sofreu. Já o marginal foi conduzido pelo Samu até o HUT em Teresina onde fará cirurgia e está sob escolta da PM.

De acordo com o Major Medeiros o mais importante aconteceu, a mulher e a criança foram libertadas em segurança e sem ferimentos. Com isso ganhamos a noite. “Quando atirei, a preocupação foi atingir o marginal nas pernas sem atingir as reféns que estavam no mesmo quarto, que se encontrava com as luzes apagadas, por isso corri o risco e me aproximei para atirar, sabendo que ao meu lado existiam homens preparados e que instantaneamente a guarnição da FT e os demais PMs o dominaram”, disse o comandante.